Centro de Produções Técnicas


Dicas de preservação e recuperação de nascentes e mananciais

Algumas medidas de preservação e recuperação de nascentes e mananciais são bastante simples e práticas

Dicas de preservação e recuperação de nascentes e mananciais

“Entre os diversos recursos que a natureza disponibiliza, a água é o mais essencial à vida do homem e de todas as espécies de plantas e animais, que habitam as várias partes do nosso planeta – além de ser considerada um importante regulador do clima na Terra. Daí a importância da preservação e recuperação de nascentes e mananciais”, afirma Paulo Sant’Anna e Castro, professor do Curso a Distância CPT Recuperação e Conservação de Nascentes, disponível nos formatos em Livro+DVD e Online.

Algumas medidas de recuperação e conservação de nascentes e mananciais são bastante simples e práticas. Dentre elas, podemos citar: a renovação das espécies de plantas, a construção de cercas em torno das nascentes, o controle criterioso do uso de defensivos e a conservação do solo e da água. Vejamos cada uma delas com mais detalhes:

Renovação de espécies de plantas

Como a vegetação que circunda as nascentes é uma barreira natural para controlar as enxurradas, é importante renovar as espécies de plantas nativas pioneiras. Podemos citar a amoreira, o alecrim, a bracatinga, pois elas apresentam rápido ciclo de crescimento, além de produzirem muitas sementes, o que garante a renovação natural da área das nascentes.

As pioneiras são plantas que vivem cerca de 20 anos, um longo período para proporcionar sombreamento para as espécies de plantas clímax – como a acácia, o ipê, o cedro, o pau-brasil, ou ainda o angico. Estas vivem cerca de 100 anos. É importante lembrar que a renovação deve ocorrer naturalmente.

Construção de cercas em torno das nascentes

A construção de cercas em torno das nascentes deve ser feita de forma estratégica – em um raio de 30 a 50 metros partindo do olho d’água. Seu principal objetivo é impedir a entrada de animais, além de evitar o pisoteio das plantas e possível compactação do solo. É importante fazer a limpeza contínua em torno da cerca para evitar que incêndios alcancem a área da nascente.

Controle criterioso do uso de defensivos

Os defensivos utilizados em cultivos contaminam tanto o solo como a água. Portanto, é fundamental o controle criterioso do seu uso por meio de agentes reguladores do governo. Os agricultores também devem ser orientados quanto à utilização de agroquímicos nas lavouras, assim como o descarte adequado das embalagens. Estas, em hipótese alguma, devem ser reutilizadas ou lançadas em rios e riachos.

Conservação do solo e da água

Algumas medidas de conservação do solo e da água são bastante práticas, como evitar queimadas – um perigo para as florestas. Com a ação do fogo, o solo fica descoberto e perde sua vitalidade devido à morte dos microrganismos. É importante destacar que o extermínio da cobertura vegetal endurece o solo, o que impede a infiltração da água das chuvas e resulta em enxurradas.

Outra medida eficaz de conservação do solo é o uso da palhada (matéria orgânica). Ela beneficia os microrganismos que vivem na terra, além de melhorar o armazenamento de água no solo e reduzir o impacto das chuvas em sua superfície (o que impede as enxurradas).

Fonte: FEIS UNESP.

Deixe Um Comentário

Marque a caixa abaixo para validar seu comentário